Sertanejos querem que Osasco seja conhecida como “Capital da Viola” - Marcos Martins

Sertanejos querem que Osasco seja conhecida como “Capital da Viola”

Violeiros de Osasco pertencentes a diferentes associações e entidades que propagam e conservam a cultura da moda de viola estiveram reunidos com o secretário municipal de Cultura, Roque Aparecido da Silva, no último dia 29, para solicitar que a cidade seja reconhecida como “Capital Brasileira da Viola”. No encontro, promovido pelo vereador Marcos Martins, que apóia o pedido dos sertanejos, integrantes da Casa dos Violeiros e da ABAS (Associação Brasileira dos Artistas Sertanejos) e freqüentadores do Rancho Musical explicaram ao secretário que o título, que destaca a cidade como importante produtora de música caipira foi criado pelo radialista e músico Pavão do Norte, na década de 1960, em seu programa na extinta Rádio São Paulo. Os violeiros contam que as duplas que se exibiam ao vivo no programa eram, em sua maioria, oriundas de Osasco e Carapicuíba. Eles sustentam na solicitação entregue ao secretário de Cultura, que Pavão do Norte, quando apresentava artistas de Osasco, referia-se a eles como músicos da “Capital da Viola”, título que, desde então, é motivo de orgulho para os violeiros da cidade. Eles agora querem que esta “justa homenagem” fique explícita e materializada por meio de uma escultura colocada em praça pública, com os dizeres “Osasco, Capital da Viola”. “É muito importante que Osasco seja reconhecida como Capital da Viola. Osasco tem caipira barbaridade. Tem médico caipira, professor caipira. Tem muita gente que veio do interior”, disse Francisco Fusco Netto, da ABAS. Os violeiros também trataram com o secretário de Cultura a realização de um Festival de Música Sertaneja e a produção de um livro que registre a história dos propagadores da moda de viola na cidade. O último festival realizado na cidade aconteceu há cerca de 10 anos. O desejo é que o festival de 2005 abra espaço para músicos sertanejos de raiz e modernos, pré-selecionados e julgados por especialistas da música. “O registro da nossa história é muito importante, e resgatar esta face caipira de Osasco é motivo de orgulho para todos nós. Para isto é necessário que as entidades de violeiros e a prefeitura estejam integrados, ajudando a agilizar a realização deste sonho”, ressaltou o vereador Marcos Martins. Também estiveram presentes à reunião os violeiros Antônio Caldeira, Jurandir Antônio Barca, Nivaldo Otavani e João Luche (Nhô Luca).