Lei do Benzeno já pode ser sancionada - Marcos Martins

Lei do Benzeno já pode ser sancionada

Lei do Benzeno já pode ser sancionada
Aprovada na Alesp, lei que protege os trabalhadores da exposição ao benzeno depende da assinatura do governador
Aprovado pela Assembleia Legislativa de São Paulo em dezembro de 2016, o Projeto de Lei 247/2015, que regulamenta o abastecimento de veículos em postos de combustíveis, aguarda sanção do governador Geraldo Alckmin. De autoria do deputado estadual Marcos Martins, com apoio de trabalhadores e especialistas da área da saúde, o projeto visa evitar a exposição contínua da população à uma substância cancerígena e que pode levar à morte, o benzeno.
Em audiência pública realizada na Alesp, o médico e auditor fiscal do Ministério Público do Trabalho, Dr. Danilo Costa Fernandes, destacou a importância da aprovação da lei que proíbe o abastecimento de combustíveis após ser acionada a trava da bomba. “A iniciativa que será mais bem sucedida será acabar com o ‘chorinho’ na hora de abastecer o automóvel. O frentista tem que parar quando é acionada a trava da bomba. Isso protege o trabalhador, o cliente, quem estiver no entorno dos postos de abastecimento, o meio ambiente e até o próprio veículo”.
Fruto de uma longa luta contra os malefícios do benzeno à saúde do trabalhador, da população de maneira geral e do meio ambiente, o projeto regulamenta limites para o abastecimento de veículos, exigindo a manutenção e uso adequado das travas de segurança. O benzeno é um composto constituinte de combustíveis derivados do petróleo, oferece riscos diversos à saúde humana, é causador de uma infinidade de doenças e diversos tipos de câncer. “Devemos reduzir os riscos e os danos à saúde, trabalhar para conscientizar a população e principalmente os trabalhadores frentistas sobre os malefícios do benzeno. Esperamos que o governador sancione o mais rápido possível este projeto tão importante para população”, afirmou o deputado.
Segundo a Organização Mundial de Saúde, a exposição humana ao benzeno tem sido associada a uma série de efeitos adversos e agudos à saúde, incluindo câncer, narcose, leucemia e anemia aplástica. Tal posição se dá principalmente no âmbito ocupacional, bem como no ambiente doméstico, de maneira ativa e passiva, por meio da inalação essencialmente. Além de combustíveis, o benzeno pode ser encontrado no tabaco e em materiais de construção, como tintas e adesivos.

Aprovado pela Assembleia Legislativa de São Paulo em dezembro de 2016, o Projeto de Lei 247/2015, que regulamenta o abastecimento de veículos em postos de combustíveis, aguarda sanção do governador Geraldo Alckmin. De autoria do deputado estadual Marcos Martins, com apoio de trabalhadores e especialistas da área da saúde, o projeto visa evitar a exposição contínua da população à uma substância cancerígena e que pode levar à morte, o benzeno.

Em audiência pública realizada na Alesp, o médico e auditor fiscal do Ministério Público do Trabalho, Dr. Danilo Costa Fernandes, destacou a importância da aprovação da lei que proíbe o abastecimento de combustíveis após ser acionada a trava da bomba. “A iniciativa que será mais bem sucedida será acabar com o ‘chorinho’ na hora de abastecer o automóvel. O frentista tem que parar quando é acionada a trava da bomba. Isso protege o trabalhador, o cliente, quem estiver no entorno dos postos de abastecimento, o meio ambiente e até o próprio veículo”.

Fruto de uma longa luta contra os malefícios do benzeno à saúde do trabalhador, da população de maneira geral e do meio ambiente, o projeto regulamenta limites para o abastecimento de veículos, exigindo a manutenção e uso adequado das travas de segurança. O benzeno é um composto constituinte de combustíveis derivados do petróleo, oferece riscos diversos à saúde humana, é causador de uma infinidade de doenças e diversos tipos de câncer. “Devemos reduzir os riscos e os danos à saúde, trabalhar para conscientizar a população e principalmente os trabalhadores frentistas sobre os malefícios do benzeno. Esperamos que o governador sancione o mais rápido possível este projeto tão importante para população”, afirmou o deputado.

Segundo a Organização Mundial de Saúde, a exposição humana ao benzeno tem sido associada a uma série de efeitos adversos e agudos à saúde, incluindo câncer, narcose, leucemia e anemia aplástica. Tal posição se dá principalmente no âmbito ocupacional, bem como no ambiente doméstico, de maneira ativa e passiva, por meio da inalação essencialmente. Além de combustíveis, o benzeno pode ser encontrado no tabaco e em materiais de construção, como tintas e adesivos.