Marcos Martins cobra responsabilidade da SABESP e critica o desperdício de água - Marcos Martins

Marcos Martins cobra responsabilidade da SABESP e critica o desperdício de água

Crédito: Foto: Cecília Bastos/Retirada do site USP

Marcos Martins cobra responsabilidade da SABESP e critica o desperdício de água
O deputado Marcos Martins falou na tribuna da ALESP, nesta quarta-feira, 8/2, sobre os dados recém-divulgados pela SABESP. Segundo informações da empresa, houve uma redução de gasto de água tratada por parte da população de 169 litros por dia para 120 litros (29%), enquanto a própria empresa desperdiçou mais na comparação 2015-2016, indo de 30,6% para 31,8%. “Isso é um absurdo! Enquanto o gasto por habitante caiu, o desperdício da SABESP aumentou” indicou Marcos Martins.
Martins considerou como positiva a mudança de hábito da população, mas cobrou responsabilidade da SABESP. O legislador indicou que a empresa tem tido lucros crescentes e em anos sucessivos, porém não realiza a manutenção esperada da rede de água e esgoto conforme a expectativa da população.
Segundo reportagem veiculada pela Rede Brasil Atual (em 7/1), o presidente do Sindicato de Trabalhadores em Água, Energia e Meio Ambiente de São Paulo (Sintaema), Rene Vicente dos Santos, afirmou que “muitas vezes o serviço acaba voltando para a Sabesp, uma vez que houve tentativa de corrigir uma, duas, três vezes (pelas empresas terceirizadas) e não apresentou um resultado”, explica. Segundo dados do Sintaema, apenas a metade dos quase 28 mil trabalhadores na Sabesp é de funcionários próprios.

O deputado Marcos Martins falou na tribuna da ALESP, nesta quarta-feira, 8/2, sobre os dados recém-divulgados pela SABESP. Segundo informações da empresa, houve uma redução de gasto de água tratada por parte da população de 169 litros por dia para 120 litros (29%), enquanto a própria empresa desperdiçou mais na comparação 2015-2016, indo de 30,6% para 31,8%. “Isso é um absurdo! Enquanto o gasto por habitante caiu, o desperdício da SABESP aumentou” indicou Marcos Martins.

Martins considerou como positiva a mudança de hábito da população, mas cobrou responsabilidade da SABESP. O legislador indicou que a empresa tem tido lucros crescentes e em anos sucessivos, porém não realiza a manutenção esperada da rede de água e esgoto conforme a expectativa da população.

Segundo reportagem veiculada pela Rede Brasil Atual (em 7/1), o presidente do Sindicato de Trabalhadores em Água, Energia e Meio Ambiente de São Paulo (Sintaema), Rene Vicente dos Santos, afirmou que “muitas vezes o serviço acaba voltando para a Sabesp, uma vez que houve tentativa de corrigir uma, duas, três vezes (pelas empresas terceirizadas) e não apresentou um resultado”, explica. Segundo dados do Sintaema, apenas a metade dos quase 28 mil trabalhadores na Sabesp é de funcionários próprios.