Se 2017 foi sinônimo de luta, 2018 não será diferente - Marcos Martins

Se 2017 foi sinônimo de luta, 2018 não será diferente

Por Marcos Martins*

A trajetória da classe trabalhadora por melhores condições de vida nunca foi fácil e o ano de 2017 não se mostrou diferente. Marcado por disputas, o período confirma a premissa histórica de que só a luta traz conquistas. Por este motivo, temos promovido o esclarecimento de nossas famílias, amigos e da sociedade como um todo, para os riscos que a atual política nacional representa para as futuras gerações.

Os retrocessos promovidos por Temer têm contribuído para uma crescente rejeição dessa política e de seus líderes. Não é à toa que o presidente figura hoje entre os Chefes de Estado mais impopulares do mundo ocidental, sendo que inclusive no estado de São Paulo, a revolta popular acompanha o ritmo nacional. A prova disso são as diversas mobilizações contra a reforma trabalhista e da previdência que tomaram as ruas da capital, região metropolitana e de inúmeras cidades do interior, sustentadas pela classe trabalhadora em defesa de seus direitos.

Curiosamente as reformas promovidas por Temer têm sido apoiadas veementemente pelo governador de São Paulo, Geraldo Alckmin. Eleito presidente nacional do PSDB, Alckmin agora tenta distanciar a imagem do seu partido da impopularidade de Temer, mesmo apoiando sua agenda elitista. Como deputado, além de denunciar esses abusos, que ignoram a soberania popular, entregam o patrimônio público, desmontam as políticas sociais e acabam com direitos conquistados, tenho lutado para proteger a saúde do trabalhador.

Um bom exemplo é o caso do combate ao amianto. Depois de quase 30 anos de enfrentamento, tivemos uma grande vitória neste ano, quando o STF proibiu completamente o uso deste mineral cancerígeno no Brasil. É muito gratificante saber que a Lei Estadual 12.684/2007, de minha autoria, que proíbe o amianto no estado de São Paulo, serviu de base jurídica para um entendimento nacional sobre o tema. Lembrando que o amianto mata mais de 100 mil pessoas por ano no mundo. Agora, mesmo com a lei nacional, precisamos manter nossa disposição para o combate, garantindo a desamiantização e a destinação correta dos resíduos.

Ainda que o ano esteja próximo do fim, seguimos trabalhando até o último dia para derrubar o veto do Governador ao PL 247/2015, que visa reduzir a exposição da população aos vapores do Benzeno – gás cancerígeno – nos postos de combustíveis. O benzeno presente na gasolina afeta diretamente mais de 232 mil frentistas, espalhados em mais de 9 mil postos de combustíveis em todo estado São Paulo.

Entre outras causas, também tenho trabalhado pela valorização do Instituto de Assistência Médica ao Servidor Público Estadual (IAMSPE), que atende mais de 1 milhão de pessoas entre professores, policiais, enfermeiros, médicos e seus dependentes, em mais de 600 cidades paulistas. Por isso gostaria de reafirmar meu compromisso de mais de 30 anos de vida pública em 2018! Seguirei atuando em defesa da democracia e dos direitos da classe trabalhadora.
É dessa forma, com o espírito de luta renovado e a certeza de que teremos muitas batalhas e vitórias pela frente, que gostaria de desejar a todos os brasileiros, e aos meus conterrâneos paulistas em especial, meus votos de boas festas e um Ano Novo de fé, esperança na vida e muitas realizações!

*Marcos Martins é Deputado Estadual